sábado, 12 de julho de 2008

PREMIO DARDOS




Recebi a indicação do Prémio Dardos de minha amiga Adriana Costa do Blog Versos Bárbaros http://versosbarbaros.blogspot.com/

“Con el Premio Dardos se reconocen los valores que cada blogger muestra cada día en su empeño por transmitir valores culturales, éticos, literarios, personales, etc.., que en suma, demuestran su creatividad através del pensamiento vivo que está y permanece intacto entre sus letras, entre sus palabras rotas.” Pandora


Como uma das regras indico os seguintes Blogs para o "Prémio Dardos":






REFLEXÕES


CORES & PALAVRAS


LABIRINTO DO SOL E DA LUA


BRISAPOÉTICA


RECALCITRANTE


EVASÕES


ALMA DE POESIA


O ÉTER


INSÉTE


HENRIQUE PEDRO POESIA


LAST GOOD BAD IDEA…

domingo, 6 de julho de 2008

POETA JA’ NAO SOU




Poeta ja’nao sou,
neste mar de rosas por florir.
Petalas roxas de paixao,
espectro por consumir.
Vibraccoes transmutantes
energias activas e possantes
de te querer beijar...
Profundamente,
acto onirico presente
No extase de te ver.
E deixar-me nascer,
num suspiro... para logo
Morrer nos teus bracos,
Renascer num cipreste,
numa pintura de papiro,
calcada de fogo e abracos,
Onde, qual fenix disfarcada
Num sorriso agreste,
admiro a magia...na chegada
Dos teus doces passos!!!

By: Dinah Raphaellus

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Ah, como e' bom



Ah como e’ bom sentir o chilrear
das aves nos labios da minha alma.
E recebe-los com o sorriso
Solar dourado da minha vida,
Sela-los com o karma da sapiencia,
sabia sofrida, num bouquet
perfeito de paciencia,
neste livro de contos, por contar.
Historias, desencontros, parabolas,
Encontros, e versos por versejar.
Ah como e’ bom o Sol,
que ainda nao nasceu...
Por-se a’ janela,
comtemplando o luar,
De uma noite,
que ainda nao faleceu
nas palpebras do meu sonhar.
Ah como e’ bom...
as ondas dessa paixao, mar a viajar,
Nesse corredor rosa, aberto de par em par
Aplaudindo a nossa vida
em procissao a passar;
E a outra vida...talvez mais precisa, mais vivida...
Adormecer e voltar!!!!

By: Dinah Raphaellus

PREMONICAO




O dia perfumou-se de acácias rubras
E buganvilias brancas.
Para trás ficou o cheiro de morte,
dos corvos agoirentos sequiosos
de cadáveres secos.
Acende-se o mais belo,
vermelho pôr do Sol.
Os animais deixam de respirar
Não vá trazer azar... o povo ri,
depois de muito chorar.
E mesmo o deserto, pára seus carpidos.
É o começo dos sonhos das cinzas,
Qual Fenixes, renascidos.
Os rios tocam batuques,
Pássaros dançam aos Deuses.
Angola ate’ aqui vazia de esperança
Realiza agora, choros de comoção.
As chuvas crepitam alto,
Na sua alma...açucenas desabrocham
No desértico esperançar d’um povo
Acordo, que belo sonho...
Acordada, espero o nascer do Sol
Desta premonição...
Angola acolher seus filhos perdidos,
Sonhos recolhidos de imbondeiros
De braços abertos e coração.
Embalar as feridas, adormecer a dor
Por fim... dar e receber,
Presentes de Amor!!!

By: Dinah Raphaellus

CHAMA DE MIM





Pesarosa a chama,
Como que chama por mim.
Bate pesada insana,
Num tormento de marfim.
Mescla de cor e odor,
Num rosa de amor carmim
Onde renascerá a doce dor,
Que pintarás por mim.
E eu, eu morta de mim,
Incrustada em silva paixão,
Brotarei dos espinhos, flores...
Dançando um refrão de...
Triste rainha...coroada de dores.


Dinah Raphaellus

AMAR...



Amar na poesia uma estrofe.
Um verso num poema,
em ti, espírito de mim,
amar a pena e com ela
escrever um livro
invocado ao meu dilema.


Dinah Raphaellus

DECLAMEI AO MAR






Declamei minha poesia ao mar
Onde as ondinas carpiam
choros contentes, difusos e confusos
de palmas a contrastar.
Eu, eu encontrada num momento de mim
Chorei num riso, comovido, sentido
De cor carmim.
As conchas aconchegaram meus
pes cansados, e os olhos debotados
de tantas lagrimas cantar.
Na areia enchi-me de bordados, brocados,
Com fitas de seda a embelezar.
O vento, esse embalou-me os sonhos
E o meu fantasiar,
O mar, esse velho companheiro,
Aconchegou me na diaspora do tempo
Coroou-me quimera de mim
Fazendo-me duvidar do poema,
que senti e vivi...
Acordada a sonhar.


Dinah Raphaellus

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

FESTA



(01/01, no teu aniversario Mae)


Um formigueiro na densidade
Das recordações renasce...
Vem de levinho acordar
Os meus sentidos.
No amago da saudade,
Pousa e sorri como quem,
Fala em cores e fogo d’ artificio.
Tapo meus ouvidos
Protegendo do barulho do silencio
É Ano Novo e tenho que concordar
Que belos são os foguetes a crepitar.
No Céu escrito está teu nome,
Com a luz do teu aniversario,
Que saudade...a paz perdura...
É teu aniversario minh’alma,
Está em festa... bem la’ na lonjura!!!!

Dinah Raphaellus